Alimentos estão em falta na Coreia do Norte

informativo

Alimentos estão em falta na Coreia do Norte Governo fechou fronteiras, mas ainda não confirmou casos de coronavírus no país   Enquanto países em todo o mundo lutam para conter a propagação da COVID-19, a Coreia do Norte ainda não confirmou nenhum caso da de coronavírus no território. Entretanto, isso não quer dizer que a doença não esteja presente em solo norte-coreano. As novas medidas do governo foram a proibição da entrada de estrangeiros na região e o impedimento de algumas famílias norte-coreanas se mudarem. De acordo com os observadores do país, a consequência das medidas pode ser outra “Marcha Árdua”, período de grande fome que aconteceu nos anos 90 e fez cerca de 3 milhões de vítimas fatais. O cristão norte-coreano e parceiro da Portas Abertas, Timothy*, acrescenta: "Em meio às restrições de fronteira na Coreia do Norte, a escassez de alimentos quadruplicou os preços de mercado". Ele lembrou do relatório do portal de notícias Daily NK, que garantiu o fechamento de várias lojas pequenas. “Simplesmente não têm nada para vender. Por exemplo, é difícil encontrar açúcar e uma lata com 100g de pimenta chinesa subiu de 4.000 para 8.000 won coreanos (equivalente a R$ 34,78 reais)”, explica. Sem alimento, dinheiro e ajuda internacional Segundo um porta-voz da região, mesmo que exista locais para a venda de alimentos, os cidadãos não têm dinheiro para comprá-los, uma das saídas encontradas é procurar comida nas florestas e montanhas. “Muitos produtos são contrabandeados da China e da Coreia do Sul antes de chegarem ao mercado negro. A economia oficial já estava em coma, mas agora a economia paralela também sofreu um grande golpe, colocando em risco a vida de milhões de crianças e adultos", testemunha. No dia 18 de maio, a Organização das Nações Unidas (ONU) para Agricultura e Alimentação divulgou que a escassez de grãos na Coreia do Norte chega a 860 mil toneladas. Porém, o país está fechado para receber ajuda. A Portas Abertas está trabalhando para ajudar os norte-coreanos que vivem em países vizinhos como China e Coreia do Sul. “Nossas equipes estão se preparando para distribuir alimentos secretamente, mas os norte-coreanos precisam vir até nós. Por isso, realmente pedimos as orações e o apoio financeiro de nossos doadores. Precisamos de ambos e não podemos ter um sem o outro”, conta um parceiro local. Às vezes parece pouco ajudar os cristãos norte-coreanos com apenas um pacote de comida e algum material cristão, mas o colaborador explica que os beneficiados enxergam os gestos de outra maneira. “Lembrei de uma mensagem que recebemos de um deles. Essa pessoa escreveu: Graças a sua ajuda, eu sei que Deus não nos esqueceu. Foi assim que Deus me lembrou que não trazemos sacolas com arroz. Trazemos esperança”, completa. *Nome alterado por segurança.  Pedidos de oração Interceda para que Deus diminua o impacto da COVID-19 na situação alimentar da Coreia do Norte. Ore para que as fronteiras do país sejam abertas e os governantes aceitem ajuda internacional para diminuir a fome local. Clame pela vida dos cristãos secretos norte-coreanos, que eles tenham as necessidades básicas supridas por Deus e consigam testemunhar a respeito de Cristo neste momento delicado. Fonte: Portas Abertas

Compartilhe